Cultura Negra & Brasil: lista de pratos brasileiros com influência africana

Foto capa da postagem sobre pratos brasileiros com influência africana no blog Negra em Movimento.

A gastronomia para mim é uma espécie de arte e por consequência dessa manifestação tão grandiosa comecei a pensar na quantidade de pratos brasileiros com influência africana que crescemos e seguimos saboreando sem se dar conta de sua origem.

Por isso preparei uma lista com essas iguarias uma vez que particularmente penso que é muito mais delicioso degustar um prato conhecendo a valiosa história por detrás dele.

Abará

foto ilustrativa da comida brasileira abará.
Abará
Fonte: Flavors Today

Descrição: bolinho feito com feijão fradinho embrulhado em folha de bananeira que vai na água para cozimento no vapor. Pode ser acompanhamento de uma massa ou recheado com camarão, caruru ou vatapá.

De fato o termo é oriundo do termo iorubá aba’ra. É um prato típico da culinária africana e também baiana, sendo similarmente uma comida de ritual do candomblé. É muito parecido ao acarajé, porém enquanto este primeiro é frito, o abará é cozido.

Aberém

foto ilustrativa da comida brasileira aberém.
Fonte: Blog Come-se

Descrição: feito de milho ou de arroz moído na pedra envolto em uma folha de bananeira. Pode ser servido como acompanhamento para pratos salgados ou como sobremesa.

Decerto o prato possui origem afro-brasileira e no candomblé é oferecido como alimento a Omulu e Oxumaré. Em síntese é um dos acompanhamentos para o caruru, que geralmente é bem condimentado. Também pode ser desfrutado com mel de abelha.

Abrazô

foto ilustrativa da comida brasileira abrazô.
Fonte: Blog do Gabriel Ruan

Descrição: bolinho feito de farinha de milho ou de mandioca frito em azeite de dendê.

Nesse sentido é um termo de origem africana; a receita original leva pimenta e demais temperos fortes.

Acaçá

foto ilustrativa da comida brasileira acaçá.
Fonte: Prazeres da Mesa

Descrição: massa feita com milho branco ou vermelho que é cozida em água e envolto em folha de bananeira.

Por exemplo conhecido como Eko, o acaçá é uma comida ritual do candomblé e tem um grande significado dentro dele. Outrossim ele tem formato de pirâmide porque representa um Corpo, um Ser, um Descendente, o Ori Ínù que pode representar todos os Orixás.

Representa a própria vida e se tornou predileção de todos os orixás.

Acarajé

foto ilustrativa da comida brasileira acarajé.
Fonte: André Schirm_Flickr

Descrição: feito com feijão fradinho, cebola e sal e frito no azeite de dendê. Pode ser recheado com camarão e molho apimentado, vatapá ou caruru.

Sem dúvida um prato tipicamente baiano, a palavra acarajé tem origem africana e significa “comer bola de fogo” e originalmente era um prato feito como oferenda aos orixás. Uma vez que relacionado ao candomblé, a lenda diz que o nome do prato surgiu graças ao casal Xangô (orixá dos raios, trovões, fogo e justiça) e Iansã (orixá de ventos e tempestades).

Assim reza a lenda que Iansã buscou Ifá (oráculo africano) para conseguir comida para o marido, o oráculo então informou a ela que Xangô deveria contar para o povo assim que comesse. Inegavelmente desconfiada, ela comeu antes de levar para ele, mas nada aconteceu; levou então a comida para o marido e deu as instruções. Em seguida Xangô comeu e quando foi contar ao povo, fogo saiu de sua boca; logo ele passou a ser reconhecido como grande rei de Oyó (fogo).

Sendo assim, os bolinhos possuem forte significado religioso e precisam ser vendidos por aqueles que estejam trajando vestimentas e ornamentos específicos além de seguir a forma tradicional para prepará-lo.

Às sextas não se deve cozinhar comidas de cor para não desrespeitar Oxalá por exemplo e ainda que seja vendido livremente por algumas pessoas, segue sendo um quitute sagrado para as baianas.

Na Bahia, o acarajé é um dos produtos mais vendidos e sua popularidade rendeu à baiana do acarajé o título de patrimônio cultural do Brasil em 2005 pelo IPHAN. É hoje um grande símbolo de Salvador.

Ado

foto ilustrativa da comida brasileira ado.
Fonte: Site Consciência Negra

Descrição: doce feito de milho torrado e moído misturado ao azeite de dendê e mel.

No candomblé, é uma comida oferecida a Oxum.

Caruru

foto ilustrativa da comida brasileira caruru.
Fonte: Deposit Photos

Descrição: um creme feito com quiabo, camarão, castanha de caju/amendoim e azeite de dendê. Pode acompanhar o acarajé, carne ou peixe.

A origem da palavra em si é indígena e designava uma erva com fins medicinais e alimentícios. O caruru brasileiro, contudo, tem mais influência africana do que indígena devido aos ingredientes (quiabo, pimenta-malagueta, camarão e dendê originários da África).

Em suma, no candomblé é um prato ofertado aos Ibejis, filhos gêmeos de Iansã e Xangô, que solucionavam problemas em troca de doces ou brinquedos.

Cuscuz

foto ilustrativa da comida brasileira cuscuz.
Fonte: Deposit Photos

Descrição: originalmente feito de sêmola amassada à mão até a formação de grãos para cozimento à vapor em uma cuscuzeira; no Brasil, é feito também à base de farinha ou polvilho (milho, arroz ou mandioca). Pode ser acompanhado por um guisado de vegetais, carne ou peixe.

O cuscuz é um prato originário de Magrebe no norte da África derivando da palavra “alcuzcuz”; lá o prato é preparado seguindo a tradição, mas ele é comum em diversos países como Tunísia, Marrocos e Argélia, cada um adaptando a seu modo.

Em contrapartida no Brasil, existem diferentes modos de saboreá-lo. No Norte ele pode ser doce e consumido com leite de coco acompanhado de tapioca; no Nordeste é popular nas 3 refeições diárias acompanhado de leite, ovos, manteiga ou carne de sol.

Enquanto no Rio de Janeiro, ele geralmente é servido doce feito com tapioca granulada e polvilhado com coco ralado; já o cuscuz paulista é feito com farinha de milho, peixe, camarão ou frango, ovos e muito tempero.

Munguzá ou Mungunzá

foto ilustrativa da comida brasileira munguzá.
Fonte: Deposit Photos

Descrição: prato doce feito a partir de grãos de milho branco ou amarelo cozidos em um caldo de leite de coco ou de vaca, açúcar, canela e cravo.

Mungunzá ou munguzá é um termo de origem africana derivado do kimbundo mu’kunza (em português: milho cozido). É comum em diversas regiões do Brasil, sendo tradicional no Nordeste durante o ano inteiro enquanto em outros locais é comum no período junino.

Todavia no sul e sudeste do Brasil leva o nome de “canjica”; no Maranhão e Piauí é conhecido como “chá de burro” enquanto no Pará é tido como “mingau de milho branco”. Ademais pode ainda ter uma versão salgada com milho e feijão no sul do Ceará e estados como Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Quibebe

foto ilustrativa da comida brasileira quibebe.
Fonte: Deposit Photos

Descrição: um purê feito com abóbora (ou jerimum no Nordeste), cebola, alho, pimenta, sal, óleo e cheiro verde. Pode acompanhar carne, frango ou peixe.

O termo quibebe deriva da língua africana quimbundo, proveniente de Angola; lá o preparo do prato tem acréscimo de farinha de milho.

No Brasil se tornou popular em diversas regiões, fazendo parte principalmente das culinárias gaúcha, nordestina e mineira.

Vatapá

foto ilustrativa da comida brasileira vatapá.
Fonte: Emaze

Descrição: um creme preparado com amendoim, farinha de mandioca, temperos, azeite de dendê, camarão, pimenta, leite de coco e castanha de caju. Pode ser usado como recheio para o acarajé.

Em resumo o nome de origem africana chegou ao país por meio dos africanos iorubás e é um prato típico da cozinha nordestina e em locais como Amazonas, Amapá e Pará onde sofre algumas adaptações como a ausência do amendoim.

Bônus: ingredientes

Além de refeições, existem alguns ingredientes e especiarias utilizados em nossa culinária que são provenientes da África. São esses os casos do azeite de dendê, inhame, quiabo, amendoim, jiló, café, pimenta, gengibre, café e frutas como banana, coco verde e melancia.

Por fim existem muitas delícias que degustamos em nosso cotidiano ou momentos especiais que tiveram origem ou influência africana e nem nos damos conta. É mais especial apreciar de uma refeição que sabemos carregar nela tanta história.

Você sabe de mais pratos brasileiros com influência africana? Conta aqui para mim nos comentários.

Quer continuar lendo? Não deixe de checar o outro post desta mesma série em que falo sobre gêneros musicais brasileiros com influência africana.