“Negro” não é palavrão