Como é visitar o Alasca?

Foto para a postagem sobre visitar o Alasca no blog Negra em Movimento.

Visitar o Alasca era um sonho que eu compartilhava com muita gente. E também não é para menos. Se você é um aficcionado por fotografias de paisagem pode já ter se deparado com uma imagem no Alasca e pensado: isso é desse mundo?

Existe quase um misticismo que cerca o lugar e com um tempo ele criou uma aura própria, quase como se pertencesse a um mundo diferente. Era essa a sensação que eu tinha ao menos e até hoje me belisco para ter certeza de que esse lugar que conheci é real.

Expectativas

Eu tinha expectativas altíssimas assim que descobri que iria visitar o Alasca. Isso tudo aconteceu quando eu decidi começar a trabalhar a bordo de navios de cruzeiro, o que ainda faço, e logo no meu primeiro contrato tirei a sorte grande de ter um itinerário de nada menos do que quatro meses por lá.

Sou apaixonada por destinos frios, mas o meu entusiasmo com o Alasca se solidificou mesmo com um filme do qual gosto muito: Na Natureza Selvagem. Talvez já tenham assistido ou ouvido falar, o ponto chave é que o protagonista vive uma jornada de auto-descoberta enquanto trilha seu caminho para o Alasca, onde desvendaria a lição mais importante de todas.

Sem sombras de dúvidas, comecei a pensar no lugar como a epítome do auto-conhecimento. Paisagens naturais têm esse poder de me fazer refletir sobre quem fui até aquele momento e quem gostaria de ser a partir de ali.

Foto de Juneau para representar a postagem sobre visitar o Alasca no blog Negra em Movimento.
Juneau, Alasca

Geografia

O Alasca é o maior estado dos Estados Unidos no que tange à extensão territorial, sendo duas vezes maior do que o Texas (segundo maior estado). É um dos dois estados que não fazem parte do território contíguo de EUA, sendo o outro o Havaí.

Ele somente faz fronteira com o Canadá, sendo de resto cercado pelo mar, razão pela qual é o estado de maior linha costeira contando com baías, estuários, ilhas e golfos. Ele não possui nenhuma ligação territorial aos Estados Unidos. 

O próprio nome Alasca deriva da palavra Alakshak, que significa “grande terra” ou “grande península”, em idioma aleutiano. E a península é tão remota que ganhou o apelido “The Last Frontier”, “A Última Fronteira”.

Sendo assim as únicas formas de visitar o Alasca são através de avião ou navio. Uma vez dentro do estado, podem ser boas opções viajar de carro ou de trem.

Demografia e Etnia

O Alasca é o estado menos populoso entre todos com uma densidade populacional de 0,42 hab/km². A maior parte da população vive na região sul onde o clima é mais ameno e 70% habita a cidade de Anchorage, única região metropolitana e também a maior do estado.

As cinco principais etnias do estado são alemães, nativos norte-americanos, irlandeses, ingleses, estadunidenses de ascendência europeia e noruegueses. Aproximadamente 65% são brancos não hispânicos e 15% são indígenas ou inuítes; o estado concentra a maior percentagem de nativos norte-americanos no país.

As regiões norte e oeste do Alasca são as mais vastas e menos povoadas, habitadas principalmente por nativos norte-americanos. As regiões centro-sul e sudeste são ocupadas em maioria por uma população branca de ascendência britânica e alemã.

Em torno de 86% possui o inglês como idioma materno, em contrapartida 5% têm como primeira língua idiomas de nativos norte-americanos e 3% o espanhol.

História

Você pode não saber, mas a verdade é que o Alasca foi primeiramente parte do território russo. O estado foi vendido em 1867 pelo preço de 7,2 milhões de dólares, o que foi considerado uma loucura do secretário de estado da época.

Na época o Império Russo enfrentava dificuldades financeiras e também temia que o Império Britânico, do qual o vizinho Canadá fazia parte, tomasse a região já que estava se expandindo de forma rápida.

Por mais ou menos uma década o Alasca foi ignorada pelos Estados Unidos até na década de 1880 reservas de ouro foram descobertas na região. Assim se iniciou a Corrida do Ouro, que atraiu milhares de pessoas ao local dobrando a população em um período de mais ou menos 10 anos.

Em 1959 o Alasca se tornou oficialmente o 49° estado do país e em 1968 foi descoberta a maior reserva de petróleo cru do continente americano no local. Atualmente é ainda a principal fonte econômica do estado.

Foto de Skagway para representar a postagem sobre visitar o Alasca no blog Negra em Movimento.
Skagway, Alasca

Melhor Época para Visitar

Apesar do estereótipo de ser uma região extremamente fria todo o tempo, isso na verdade varia de região para região e períodos do ano. Os invernos são frios com noites longas e verões são amenos com noites curtíssimas (às vezes eu assistia o sol se pondo às 10 da noite!).

A região norte tem a temperatura mais baixa do país inteiro, no inverno com uma máxima em torno de 15°, média de -24° e mínima de -50°. A região central possui um clima temperado com média de -22° no inverno de 16° no verão. Enquanto o sul tem média de -2° no inverno e 13° no verão.

É indicado visitar o Alasca entre maio e setembro, meses que correspondem à primavera e verão. Se você tem qualquer pretensão de visitar geleiras (e cá entre nós, como visitar o Alasca e não querer ver gelo?) recomendo que agende sua visita para o mais próximo do início da primavera.

Neste período, não vou mentir, ainda faz muito frio sim, enquanto no verão cheguei a andar de shorts e camiseta. Mas a verdade é que quanto mais o verão se aproxima, mais o gelo vai derretendo, infelizmente acentuado pelo aquecimento global.

E visitar o Alasca me fez apreciar a simplicidade de sentar em um banco e observar a vista da camada de gelo nas montanhas. Você não vai querer perder.

Principais Cidades Turísticas

As principais cidades do estado são Anchorage, Fairbanks e Juneau e são essas as cidades também melhor estruturadas turisticamente. Anchorage também é sede do maior aeroporto do estado.

Os cruzeiros marítimos geralmente navegam pelas cidades no sul do estado e foi este o caso do navio em que eu estava trabalhando. O cruzeiro saía de Seattle e iniciava o itinerário por Juneau, Skagway (minha cidade favorita), um dia de navegação pela Glacier Bay, Ketchikan e por fim Victoria, no Canadá.

Outros itinerários também podem incluir portos e áreas como Icy Strait Point, Calgary, Sitka, Seward, Hubbard Glacier, Inside Passage, Wrangel e alguns outros.

Principais Atividades Turísticas

Uma vez no Alasca, existem diversas opções do que fazer. Você pode escolher entre diversas atividades dependendo de qual seja a sua praia.

Para quem gosta de ar livre, pode fazer trilhas, visitar parques nacionais ou observatórios de animais, navegar por entre geleiras, conhecer cachoeiras e jardins.

Para quem curte mais programas culturais, existem tours históricos, tours cervejeiros, museus, galerias e centros de visitação para conhecer.

Existem também observação de baleias, passeios de helicóptero e até tours de garimpo de ouro.

Você pode estar se perguntando: no Alasca dá para ver a Aurora Boreal?

A resposta é sim, caro amigo, mas somente com muita sorte ela aparece geralmente no período de inverno. No fim da temporada do cruzeiro por lá, ou seja no início do outono, eu me juntava a outros tripulantes na madrugada em busca de que ela aparecesse. Infelizmente não tivemos essa sorte.

Você pode estar também se perguntando: no Alasca dá para ver urso?

Dá, mas você vai perceber na sinalização em trilhas e em brochuras de turismo que é não é uma boa ideia ir procurando por um desavisado. Se é seu objetivo, existem tours disponíveis em algumas regiões do Alasca, como Anchorage e Fairbanks, para a observação de ursos.

Foto da Glacier Bay para representar a postagem sobre visitar o Alasca no blog Negra em Movimento.
Glacier Bay, Alasca

Preços

Vou dizer logo para assim doer bem rápido: o Alasca não é barato. Não há jeito de contornar a verdade. É claro que uma viagem pode variar bastante no preço dependendo do seu estilo de viajar, mas afirmo isso baseada em três fatores:

Distância

Se o Alasca já fica numa localização remota para os próprios estadunidenses, imagine para nós brasileiros. É preciso considerar que o preço do aéreo para a região fica bem alto. Simulando em sites de busca, o preço médio de uma passagem de São Paulo para Anchorage fica na faixa de R$5000,00 ida e volta num trajeto de mais ou menos 24 horas.

Ainda que decida fazer um cruzeiro para visitar diferentes cidades por menos dinheiro, será necessário voar até um dos estados de onde sairá o navio. As principais cidades geralmente são Seattle, Seward (AK) e Calgary (AK) nos Estados Unidos e Vancouver no Canadá.

Hospedagem

Hoteis compõem a maior parte da infraestrutura de hospedagem no estado, sendo o preço médio na faixa de R$500-700 reais por noite como indica uma simulação no TripAdvisor. Albergues são escassos, mas há ainda algumas opções simuladas no Airbnb por uma média de R$300 por noite.

Agora se optar pelo cruzeiro os preços vão variar a depender da companhia, do tamanho e estrutura do navio, da localização da cabine, do período do ano, etc. Com uma simulação nos sites de companhias de cruzeiro, um pacote de 7 dias (hospedagem, atividades a bordo, alimentação e bebidas não alcoólicas) pode ficar em torno de R$3000-4000. Lembre-se que esse valor deve ser acrescido da passagem aérea.

Excursões

Os passeios no Alasca possuem também um preço salgado, principalmente os de cunho específicos como o de observação de ursos (em torno de R$2500) e observação de baleias (em torno de R$1800) na simulação do TripAdvisor.

É claro que os tours privados não fazem parte da extrema necessidade da viagem, eu particularmente não fiz nenhum tour privado (principalmente porque estava viajando a trabalho com alguns momentos de lazer). Mas caso seja uma parte muito importante da sua viagem, é melhor separar uns bons trocados para eles.

Sem dúvidas é uma viagem que exige certo planejamento financeiro. Quando eu estava a bordo conheci alguns grupos de brasileiros realizando o cruzeiro, mas em sua maioria eles viviam em alguma parte dos Estados Unidos.

Os restaurantes e bares por lá também não são tão baratos e as redes de fast food são escassas. Se você gosta de fazer comprinhas, existem lojas de artesanato com itens maravilhosos, mas que também pesam um pouco no bolso.

Visitar o Alasca não é impossível, porém, e sempre dá para encontrar meios de economizar como já falei nessa postagem.

Infográfico sobre curiosidades no Alasca no blog Negra em Movimento.

Impressões

Por fim, visitar o Alasca é uma experiência singular em todos os sentidos da palavra. É um lugar com a sensação de intocado, o que torna a honra de estar lá ainda mais especial.

Estava apostando todas as minhas fichas de que uma viagem para o Alasca me mudaria e aconteceu exatamente o que eu pensei, mas isso tudo porque eu me abri para a mudança.

Nem um destino vai te auxiliar a se descobrir se não estiver disposta para isso.

O modo de vida é simples e calmo, uma das coisas que mais sinto falta por lá é apreciar o silêncio do contato com a natureza. As pessoas são extremamente simpáticas e prestativas e absolutamente todos com quem eu falei amavam morar lá.

Muitos deles saíam das cidades maiores para trabalhar nos conhecidos portos de cruzeiro pela primavera e verão e depois retornavam a suas casas, mas todos eles falavam do estado com o orgulho de quem fala de um filho. É admirável.

As paisagens são inacreditáveis, com toda a sinceridade de meu coração. A beleza é imensurável. Sempre me pegava pensando como viajar nos permite ter a certeza de que a natureza é sempre perfeita, mesmo quando o mundo em que habita não seja.

Resumidamente é um lugar que me fazia agradecer o dom de estar viva.

Que lugar te faz sentir vivo?

Banner para marketing de afiliados no blog Negra em Movimento.

Segurança: caso esteja pesquisando seguro viagem para sua próxima aventura, compre com a Seguros Promo.

Comprando com as empresas através desses links, você contribui com o blog sem pagar nada a mais por isso. Essa é a política do marketing de afiliados, em que produtores de conteúdo podem ganhar uma comissão a partir de associação com empresas específicas.